quarta-feira, 12 de abril de 2017

letra D • Dança (parte 1)

Em 2010 participei num workshop de dança contemporânea enquanto músico convidado: em vez do professor estar constantemente a clicar play/pause no CD durante as aulas, dava-me orientações quanto à estrutura que queria para cada exercício e eu improvisava um ritmo.

A cada momento de pausa eu pegava no caderno e ía desenhando.
Claro está, a maior parte das vezes também estavam os formandos parados, mas ainda cheguei a apanhá-los a voar - ainda que só um nadita...

Dança Contemporânea

Mais tarde, tive a sorte de assistir a uma série de aulas que tinham lugar no Mercado Negro, um espaço em Aveiro onde rara era a noite onde não acontecesse nada.

Primeiro, um baile de danças tradicionais do folk europeu. Uma vez por mês, depois das aulas propriamente ditas, os TradFolk Aveiro abriam a roda para deixar entrar quem se quisesse juntar. Aqui, estavam a dançar uma mazourka - usei barra de grafite.

TradFolk

Noutro dia da semana havia aulas de tango. E se, aqui, os passos não são tão coreografados por causa da natureza improvisada do tango, como se tratava de um contexto de aula havia sempre quem estivesse a tentar fazer o mesmo passo, daí que o que não apanhasse num casal conseguia apanhar no seguinte. Aqui as técnicas foram várias: lápis, tinta da china, marcadores.



Tango 

Próximo post: letra D • Dança (parte 2)
Alfabeto: A | B | C

1 comentário: