quinta-feira, 30 de julho de 2015

Os Clérigos vistos da Sé


Encontrámo-nos no Terreiro da Sé, na manhã de um domingo sereno, já quase a fechar Julho. Embora o plano fosse começar logo a descida, preferimos ficar por ali um pouco mais, tão desenhável é o local. E, claro, a vista da Torre dos Clérigos lá ao fundo, erguendo-se altiva por trás do casario, foi o motivo escolhido por vários de nós, ou não fosse o ângulo que a apanhava um dos poucos à sombra...


Este foi o meu primeiro esboço aproveitável do dia, bastante rápido para os meus padrões (menos de 15 minutos). Antes tinha perdido demasiado tempo numa tentativa abortada do pelourinho, que ficou com céu a mais e terreiro a menos, transparecendo ingloriamente nas costas do desenho:


Uma imagem do grupo, atrasado mas bem-disposto, neste local pode ver-se aqui.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Olá a todos!

Sou nova por aqui, mas antes de me apresentar, quero agradecer a todos que estiveram comigo no 10º encontro USkPN por me terem recebido tão bem e me fazerem sentir como uma 'verdadeira' urban sketcher. É para mim um prazer enorme pertencer a este grupo e poder aprender e evoluir convosco.
 
Sou a Cláudia e espero que este seja o primeiro de muitos posts, encontros e desenhos.
 
 
Terreiro da Sé do Porto.
 
Vista da varanda da Igreja dos Grilos.

Jardim das Virtudes.
 
Pedro e Abnose a desenhar nas Virtudes.
 
Praça da Liberdade, Aliados.
 

Podem encontrar mais de mim por aqui:
 


terça-feira, 28 de julho de 2015

À espera do almoço


Depois de uma manhã ensolarada de Domingo a desenhar pela colina da Sé do Porto, descemos até à Ribeira e parámos numa esplanada mesmo junto ao cubo. Estava calor. E tínhamos fome. E os pratos demoravam. Mas resolvi pegar no bloco para matar tempo. À minha frente, sentavam-se a Elsa, o Abnose e o Jorge. Entre um nariz e uma orelha, o tempo voou e, quando menos dei conta, lá chegaram as vitualhas. Não, não comemos bem, mas estivemos em óptima companhia!


(As cores vieram em casa. Quanto aos desenhos da urbe, esses mostrarei depois. Outra imagem do local aqui.)

Deixo aqui os gatafunhos que fiz no Encontrarte 2015:








Tenho que praticar mais...

Aula de apresentação de trabalhos de Ilustração - FBAUP

Registei alguns colegas no decurso da aula de apresentação de trabalhos da UC de ilustração:



Casa da Música

Acabado o ano letivo, estou finalmente em condições de partilhar alguns registos que fiz e que só agora consegui aqui adicionar.


"Natal no Paraíso", Gustav Mahler Sinfonia nº4, pela Orquestra Sinfónica da Casa da Música a 14/12/2014 :





Johannes Brahms Sinfonia nº4, pela Orquestra Sinfónica da Casa da Música a 19/04/2014 :






Dmitri Chostakovitch Sinfonia nº5, pela Orquestra Sinfónica da Casa da Música a 21/07/2014 :








Uma fotografia deste domingo


10º Encontro USkPN, Domingo, 26 de Julho - da Sé à Ribeira. Fotografia do grupo que se demorou pela Igreja dos Grilos ao fim da manhã, com sol e sorrisos. Os desenhos virão mais tarde...



(Abnose, Jorge, Elsa, Miú, Hugo, António, Ana Isabel e Cláudia)

sexta-feira, 24 de julho de 2015

sketchbook therapy transumância parte 3




Depois da paragem na Senhora do Espinheiro ainda faltava a etapa do resto da subida até à aldeia de Sabugueiro. Como a saída se atrasou, acabamos por ir de transporte, directos à aldeia, pois tínhamos ainda o compromisso, ao final da tarde, de realizar alguns desenhos na Lapa dos Dinheiros, onde decorria o Festival Músicas no Bosque. No entanto, antes de nos deslocarmos para o festival, ainda deu para ver a chegada dos rebanhos à aldeia e registar alguma animação do rancho folclórico. Como tudo se atrasou, e já chegamos à Lapa dos Dinheiros no lusco-fusco só deu para realizar mais 2 desenhos já de noite. Confesso também que, o cansaço físico já contribuía para a pouca disponibilidade mental do desenho. Como conclusão, posso dizer que foi uma experiência única o acompanhamento dos rebanhos, um prazer enorme desfrutar de toda a região natural e do clima, e um desafio ter o compromisso de criar um conjunto de desenhos que sirva de memória de um evento e que possa contextualizar uma tradição local. Espero poder repetir.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Alguns dos desenhos da Transumância em Seia, parte 3


Desde a chegada das Ovelhas à aldeia do Sabugueiro, até à noite, no Festival Músicas do Bosque, na Lapa dos Dinheiros, onde o tema principal se transformou, de forma algo forçada, por "desenhos pedidos", num par de motocicletas. O "pedido" trouxe-me velhas memórias de quando trabalhava como D.J., mas então, era música e não "fazer a fotografia" (o desenho), que me pediam: "Ó pintor vou-lhe trazer outra  para fazer a fotografia. É uma moto toda marada!". Não me fiz rogado, afinal esteve bem mais quieta que qualquer uma das ovelhas.
www.hugobrc.wordpress.com








terça-feira, 21 de julho de 2015

sketchbook therapy transumância parte 2






Depois da paragem nas Casas da Ribeira, a caminhada é muito mais curta até à Senhora do Espinheiro onde chegamos por volta das 11:30. O descanso era apetecível assim como uma sesta depois da almoço, portanto só tenho estes desenhos da tarde.

domingo, 19 de julho de 2015

Braga, Feira do Livro


Os pavilhões da Feira do Livro, que hoje termina, oferecem um enquadramento diferente à Praça da República, local que por me ser demasiado familiar dificilmente desenharia tão cedo se não fosse assim.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

sketchbook therapy transumância parte 1










Como já foi referido anteriormente, eu, o Tiago, o Hugo e a Ana, tivemos o privilégio de sermos os desenhadores de serviço da festa da transumância deste ano em Seia.
Nesta 1ª parte estão os meus desenhos possíveis, que sintetizam o percurso desde a saída do centro de Seia, até à paragem para a merenda nas Casas da Ribeira.
Ter a responsabilidade de criar um conjunto de desenhos que pudessem ser um testemunho contextualizado do acontecimento, foi um desafio enorme, na medida em que, grande importância do evento está na caminhada serra acima. Ora, um dos defeitos do meu desenho é que não é muito intuitivo, nem impulsivo e portanto precisa de tempo, o que criou em mim uma angústia enorme de ter que decidir, a bem dizer em tempo real, o que seria importante ou não registar. Desenhar e caminhar ao mesmo tempo, como fizeram o Hugo e a Ana, não está nas minhas capacidades.
Para além disso, como manter um carácter de reportagem nos desenhos, sendo que muito raramente tenho essa atitude nos meus desenhos em cadernos?
Com algum trabalhinho a posteriori, aqui ficam os resultados.